A participação dos utentes dos serviços traz mudanças significativas aos cuidados de saúde mental

Um novo artigo apela aos profissionais e investigadores da saúde mental para que se envolvam mais profundamente com os utilizadores dos serviços e os ativistas.

Tradução de Tiago Pires Marques de Mad in America (texto original)


Apesar do movimento ao longo da última década para incorporar o envolvimento dos utentes dos serviços nos cuidados de saúde mental, na investigação e nas políticas nos Estados Unidos, continua a haver uma falta de mudança significativa destes sistemas, como salientado num novo artigo na Psychiatric Services in Advance. Os autores oferecem sugestões sobre como envolver os utilizadores dos serviços de forma a promover e facilitar mudanças significativas no sistema de saúde mental.

Marie Brown, da Columbia University Vagelos College of Physicians and Surgeons, e Nev Jones, da University of South Florida, Tampa, escrevem:

No domínio da saúde mental, o apoio dos pares consiste em indivíduos que passaram por desafios relacionados com a sua saúde mental prestarem apoio a quem se debate com problemas relacionados com a saúde mental. A investigação salientou os benefícios do apoio dos pares, como o facto de enfatizar os direitos humanos, ter demonstrado reduzir a readmissão psiquiátrica e ter demonstrado ajudar a reduzir as disparidades raciais no tratamento da saúde mental de jovens marginalizados.

Os esforços de apoio dos pares surgiram durante a era dos Direitos Civis, quando os grupos de “ex-pacientes” e de “libertação dos loucos” se organizaram para criar alternativas ao tratamento convencional da saúde mental e aumentar a consciencialização. Também promoveram a celebração das diferenças na saúde mental e centraram-se mais na emancipação e no orgulho do que no tratamento.

“. . embora estejam a ser feitos esforços para serem mais inclusivos, vemos cooptação, a criação de nichos de conhecimento e prática ‘separados e desiguais’ e uma falta de envolvimento mais profundo com a amplitude de perspetivas presentes nas comunidades de utentes de serviços, o que limita a medida em que as vozes dos utentes de serviços podem influenciar a mudança dos sistemas.”

Atualmente, no entanto, o apoio interpares é geralmente constituído por trabalhadores de nível básico que recebem salários baixos e benefícios ou oportunidades de progressão na carreira limitados, quando existem. Os apoios interpares são normalmente excluídos de outras formas de tratamento clínico e, como resultado, têm pouca ou nenhuma influência sobre os tratamentos clínicos que estão a ser utilizados. Um artigo recente explora os fatores que permitem um apoio interpares eficaz, tais como a disponibilidade do pessoal para trabalhar com os trabalhadores de apoio interpares e o acesso dos trabalhadores de apoio interpares aos recursos.

Os autores escrevem:

“No que diz respeito ao trabalho real realizado pelos prestadores de apoio interpares, as funções de gestão de casos continuam a ser típicas e a linguagem neoliberal da “autogestão” ultrapassou largamente a “consciencialização coletiva”. Quando nos voltamos para a literatura de investigação, o apoio interpares é frequentemente comercializado como um meio de melhorar o ‘envolvimento no tratamento’ e até mesmo a ‘adesão à medicação’, atividades em grande parte em oposição às raízes mais radicais do campo.”

A participação dos utentes dos serviços na investigação psicológica é conduzida de forma semelhante à do mundo clínico, sendo os indivíduos recrutados para ajudar a melhorar ou a implementar projetos de investigação, em vez de questionar o paradigma como um todo. Além disso, tende a existir uma falta de diversidade étnico-racial, bem como uma diversidade de perspetivas variadas envolvidas nos projetos de investigação, o que suscita mais preocupações.

Nos movimentos de base, os indivíduos têm adotado uma variedade de abordagens, tais como celebrar ou reivindicar identidades “loucas”, trabalhar para efetuar mudanças políticas em grande escala em domínios como o diagnóstico, o tratamento involuntário, entre outras áreas, examinar a forma como o racismo sistémico está incorporado no sistema de saúde mental convencional e avançar para mudanças mais pequenas e incrementais, tais como promover movimentos de autoajuda. No entanto, apesar da variedade de movimentos e esforços feitos ao nível das bases, as comunidades clínicas e de investigação tradicionais continuam afastadas destes esforços.

Os autores apontam para a “valorização dos afetos” como sendo um passo extremamente importante a dar para provocar a mudança. Destacam como certas modalidades terapêuticas enfatizam o papel que o afeto desempenha no processo terapêutico, transformando tanto o cliente como o terapeuta.

Escrevem:

“Estas tradições dentro do campo servem pelo menos para nos lembrar que não negligenciamos ou evitamos o afeto quando se trata de formas mais diádicas de transformação. O potencial para criar laços afetivos poderosos está também, evidentemente, no cerne do apoio entre pares. E, no entanto, quando consideramos o planeamento, a conceção, a avaliação e a investigação do sistema, temos tendência a adotar um paradigma racionalista”.

Brown e Jones sublinham que, para avançar, o envolvimento com perspetivas críticas e a diversidade é fundamental para facilitar a mudança. Salientam o papel que a diferença e o desacordo podem desempenhar na promoção do crescimento e de novas perspetivas. Também incentivam os investigadores e administradores a desenvolver amizades com os utentes dos serviços e os ativistas ou, pelo menos, a envolverem-se com eles de formas que vão para além do trabalho de rotina.

Ouvir o outro é fundamental para qualquer movimento, que pode ser facilitado através destas relações, o que poderia motivar a mudança para alterações sistémicas no sistema de cuidados de saúde mental e na investigação.

****

Brown, M., & Jones, N. (2021). Participação do utilizador do serviço no sistema de saúde mental: Aprofundar o envolvimento. Serviços psiquiátricos em avanço. DOI: 10.1176/appi.ps.202000494 (Link)

Ashley Bobak
Ashley Bobak

Ashley Bobak é terapeuta com doutoramento, tendo obtido o seu doutoramento na Universidade de Point Park. Bobak interessa-se pelas interseções entre filosofia, história e psicologia e utiliza estas interseções como lente para examinar a adição a substâncias. Bobak espera desenvolver e promover abordagens alternativas para conceituar e tratar a psicopatologia que respeitem a dignidade humana.

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Subscrever

 

 

Redes Sociais

Novas Entradas