Três Causas de Doença Espiritual: Uma Perspetiva Xamânica

0
51

Traduzido por Tiago Pires Marques de Mad in America (texto original)

De Shared Wisdom: “Ao olhar através dos olhos do curandeiro xamânico, as causas finais de praticamente todas as doenças encontram-se nos reinos imaginários – nas mesmas regiões de onde a doença deriva o seu poder inicial para nos afetar negativamente. Por isso, não basta simplesmente suprimir os efeitos da doença com medicação no plano físico e esperar pelo melhor. Para que a verdadeira cura ocorra, as causas da doença devem ser tratadas.

Do ponto de vista do xamã, existem três causas clássicas de doença e, curiosamente, não são micróbios, bactérias ou vírus. Pelo contrário, são estados internos negativos que surgem dentro de nós em resposta a experiências de vida negativas ou traumáticas. A primeira delas é a desarmonia.

Desarmonia

A desarmonia é o que sentimos quando a vida perde subitamente o seu significado ou quando perdemos uma ligação importante com a vida.

. . . O estado de desarmonia que experimentamos em resposta a tais situações da vida causa uma diminuição do nosso poder pessoal. Isto pode acontecer de uma forma subtil, por um lado, ou de uma forma catastrófica, que abala a vida, por outro lado, como perder o emprego e, no processo, perder o seu sustento. Quando sentimos falta de poder, ou “perda de poder”, isso afeta a nossa matriz energética, tornando-nos vulneráveis à doença.

Medo

A segunda causa clássica de doença é o medo. Uma pessoa que anda por aí com uma sensação crónica de medo a roer-lhe a pele é duplamente vulnerável à doença, porque a sua ansiedade diminui agressiva e progressivamente a sua sensação de bem-estar, o que, por sua vez, afeta o seu sentimento de segurança no mundo.

Esta sensação de bem-estar é a base sobre a qual assenta o nosso sistema de saúde pessoal… Não é surpresa para os médicos ocidentais que a desarmonia e o medo se possam manifestar em doenças reconhecíveis pela ciência. Há quase 500 anos, o médico renascentista Paracelso observou que “o medo da doença é mais perigoso do que a própria doença” …

Perda de alma

Entre os tradicionais, a perda da alma é considerada o diagnóstico mais grave e a principal causa de morte prematura e de doença grave, mas, curiosamente, nem sequer é mencionada nos nossos manuais de medicina ocidentais. O contexto reconhecido mais próximo é “Perdeu a vontade de viver”.

Na sociedade ocidental, a perda da alma é mais facilmente entendida como um dano à essência da vida de uma pessoa, um fenómeno que geralmente ocorre em resposta a um trauma. Quando o trauma é grave, isto pode resultar numa fragmentação do conjunto da alma dessa pessoa, com as partes da alma fragmentadas a dissociarem-se, fugindo de uma situação intolerável. Em circunstâncias extremas, estas partes da alma podem não regressar.

As causas da perda da alma podem ser muitas e variadas. Pode haver questões perinatais traumáticas que acontecem em torno da experiência de nascimento da criança, como chegar à vida apenas para descobrir que não é desejada, ou que é do sexo errado – veio como uma menina quando todos esperavam um menino.

A perda da alma também pode ocorrer quando uma criança é impiedosamente intimidada ou gozada em casa ou na escola, dia após dia, ou quando um jovem é molestado por aquele que supostamente deveria cuidar dele. Quando alguém é violado ou agredido, quando sofre uma traição chocante, um divórcio amargo, um aborto traumático, um terrível acidente de viação ou mesmo uma cirurgia grave, a perda da alma está assegurada.

Muitos dos homens e mulheres jovens que foram enviados para a guerra no Afeganistão, Iraque, Kuwait, Vietname, Coreia e noutros locais, regressaram a casa com danos pessoais porque tinham sofrido uma terrível perda de alma. Os nossos médicos especialistas rotularam as suas perturbações como síndrome de stress pós-traumático, mas tinham pouco para oferecer a estes “feridos ambulantes” em termos de verdadeira cura, e muitos dos que sobreviveram ainda estão profundamente traumatizados ao nível da alma pelo que lhes aconteceu na guerra.

Sintomas de perda de alma

A perda de alma é facilmente reconhecível se soubermos o que estamos à procura. 

Aqui está uma lista de verificação de alguns dos sintomas clássicos:

  • sentimentos de estar fragmentado, de não estar todo aqui.
  • bloqueio de memória – incapacidade de se lembrar de partes da sua vida.
  • incapacidade de sentir amor ou de receber amor de outra pessoa.
  • afastamento emocional.
  • apatia ou apatia súbita.
  • falta de iniciativa ou de entusiasmo.
  • falta de alegria.
  • incapacidade de prosperar.
  • incapacidade de tomar decisões.
  • incapacidade de discriminar.
  • negatividade crónica.
  • vícios.
  • tendências suicidas.
  • melancolia ou desespero.
  • depressão crónica.

Talvez o sintoma mais comum da perda da alma seja a depressão. No início dos anos 90, a revista Time fez uma reportagem de capa sobre a depressão na América que revelou que 60 milhões de americanos estavam a tomar medicamentos antidepressivos diariamente, representando cerca de 30% da nossa população.

Atualmente, esse número aproxima-se dos 80 milhões, o que representa cerca de 40% da sociedade em geral. . .

Embora o termo “perda de alma” não seja familiar para a maioria dos ocidentais, há exemplos disso expressos diariamente na nossa linguagem e nas descrições de dificuldades pessoais. As entrevistas nos meios de comunicação social e as notícias incluem comentários de pessoas como “perdi uma parte de mim quando isso (trauma) aconteceu” e “nunca mais fui o mesmo desde então”. Quando se discute a perda da alma com pessoas que fazem perguntas, quase toda a gente tem a sensação de ter perdido uma “parte” de si própria em algum momento da vida, mas praticamente ninguém tem a consciência de que a(s) parte(s) que falta(m) pode(m) ser recuperada(s).

Elas podem.”

Pore ler o artigo aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui