Terapia da corrida para a depressão é tão eficaz como os antidepressivos e não comporta riscos para a saúde

0
83

20 de junho de 2023

Traduzido por Mattia Faustini de Mad in America (texto original)

Um artigo que será publicado em breve no Journal of Affective Disorders conclui que, embora a terapia da corrida e os antidepressivos tenham efeitos semelhantes nos sintomas depressivos, a terapia da corrida é muito melhor para a saúde física dos participantes.

O estudo dividiu os participantes em dois grupos, um que recebeu antidepressivos e outro que participou em sessões supervisionadas de corrida de 45 minutos. Enquanto os participantes que receberam tratamento antidepressivo registaram uma deterioração da saúde física, os que receberam terapia de exercício como tratamento registaram melhorias. Os autores escrevem:

“Enquanto as intervenções tiveram efeitos comparáveis na saúde mental, a terapia de corrida superou os antidepressivos na saúde física, devido a melhorias mais importantes no grupo de terapia de corrida, bem como maior deterioração no grupo de antidepressivos”.

A presente investigação teve como objetivo comparar os efeitos dos antidepressivos e do exercício físico no tratamento de participantes com depressão e perturbações de ansiedade. Para atingir este objetivo, os autores dividiram 141 participantes com idades compreendidas entre os 18 e os 70 anos em dois grupos, um que recebeu o antidepressivo escitalopram e outro que fez terapia da corrida. A alguns participantes do grupo do antidepressivo foi prescrito um segundo antidepressivo (sertralina) quando o primeiro se mostrava ineficaz. Os participantes no grupo da corrida foram encorajados a correr durante 45 minutos, 2 ou 3 dias por semana.

Os participantes podiam selecionar o grupo a que seriam atribuídos ou podiam optar por ser atribuídos aleatoriamente a um grupo. Como resultado da preferência dos participantes, 45 participantes juntaram-se ao grupo de antidepressivos e 96 ao grupo de terapia de corrida. Os participantes foram submetidos a avaliações de base antes das intervenções e 16 semanas após o início dos antidepressivos ou do exercício físico. As avaliações abrangeram a saúde mental (diagnóstico e gravidade dos sintomas) e a saúde física (frequência cardíaca, variabilidade da frequência cardíaca, peso, função pulmonar, perímetro da cintura, tensão arterial, etc.). Os participantes foram excluídos do presente trabalho com base em sete critérios de exclusão:

  1. Utilização de antidepressivos nas duas últimas semanas
  2. Utilização de outros psicotrópicos (exceto benzodiazepinas)
  3. Exercício físico regular
  4. Diagnósticos de saúde mental que não sejam depressão ou perturbações de ansiedade
  5. Risco de suicídio
  6. Médicos que desaconselham qualquer uma das intervenções (por exemplo, pessoas com problemas cardíacos graves)
  7. Gravidez

82,2% dos participantes no grupo dos antidepressivos e 52,1% no grupo da corrida aderiram ao protocolo de tratamento. No grupo da terapia da corrida, 14 participantes (15%) nunca iniciaram o tratamento e 16 (17%) participaram em 9 sessões ou menos.

Apesar de o grupo dos antidepressivos ter registado uma melhoria ligeiramente mais rápida dos sintomas de saúde mental, as taxas de remissão não foram significativamente diferentes ao fim de 16 semanas. No final do estudo, observou-se que 43,3% do grupo da terapia de corrida e 44,8% do grupo dos antidepressivos registaram uma remissão dos sintomas. Os autores referem que a remissão não significava uma ausência de sintomas e que mesmo esses participantes “ainda apresentavam uma sintomatologia depressiva e de ansiedade considerável”.

Relativamente à saúde física, o grupo da terapia da corrida registou melhorias significativas, com uma diminuição da frequência cardíaca, da pressão arterial e do perímetro da cintura e um aumento da função pulmonar. Pelo contrário, o grupo dos antidepressivos registou uma deterioração da sua saúde física, com um aumento do peso (3 kg em média), da pressão arterial, dos triglicéridos e uma diminuição da variabilidade da frequência cardíaca.

Os autores mencionam duas limitações do trabalho realizado. Em primeiro lugar, foram relativamente poucos os participantes que quiseram ser atribuídos aleatoriamente a um grupo de tratamento (15%), o que tornou o grupo atribuído aleatoriamente demasiado pequeno para análises separadas. Em segundo lugar, os participantes preferiram maioritariamente o grupo de terapia de corrida, tornando o grupo de antidepressivos muito mais pequeno. Os autores concluem:

“Mostrámos que, embora a medicação antidepressiva e a terapia da corrida não apresentassem diferenças estatisticamente significativas nos resultados de saúde mental… os utilizadores de antidepressivos apresentaram uma diminuição da variabilidade da frequência cardíaca e aumentos na circunferência da cintura, na pressão arterial e nos níveis de triglicéridos, o que sugere um aumento da incidência da síndrome metabólica e um maior risco cardiovascular. O grupo da corrida apresentou uma diminuição dos componentes da síndrome metabólica e da frequência cardíaca, o que indicou, por sua vez, efeitos protetores sobre os incidentes cardiovasculares. De um modo geral, este estudo demonstrou a importância do exercício físico na população deprimida e ansiosa e adverte contra a utilização de antidepressivos em doentes fisicamente pouco saudáveis”.

Estudos recentes demonstraram que o exercício físico trata a depressão ligeira a moderada tão bem como os antidepressivos. Uma revisão concluiu que os efeitos do exercício sobre a depressão são provavelmente subestimados devido ao enviesamento de publicação. O exercício também parece proteger contra a depressão, com apenas 15 minutos de exercício 3 vezes por semana associados a menos sintomas depressivos em adultos mais velhos. A investigação também descobriu que as pessoas que faziam o equivalente a 2,5 horas de caminhada rápida por semana tinham um risco 25% menor de depressão.

A investigação revelou que os antidepressivos não são melhores do que um placebo para 85% das pessoas. Outra investigação concluiu que os antidepressivos são “largamente ineficazes e potencialmente prejudiciais”. Estudos semelhantes mostraram que os antidepressivos são ineficazes para crianças e adolescentes.

****

Verhoeven, J. E., Han, L. K. M., Lever-van Milligen, B. A., Hu, M. X., Révész, D., Hoogendoorn, A. W., Batelaan, N. M., van Schaik, D. J. F., van Balkom, A. J. L. M., van Oppen, P., & Penninx, B. W. J. H. (2023). Antidepressants or running therapy: Comparing effects on mental and physical health in patients with depression and anxiety disorders. Journal of Affective Disorders. https://doi.org/10.1016/j.jad.2023.02.064 (Link)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui