“Contando o louco”, Donald Justice

0
237

Traduzido por Mattia Faustini

Este cá foi colocado em camisa
Este cá foi mandado para casa,
Este cá recebeu carne e pão 
mas não comeria nada,
E este cá gritava Não Não Não Não
O dia todo.

Este cá olhava para a janela
Como se fosse um muro,
Este cá via coisas que não estavam,
Este cá coisas que sim,
E este cá gritava Não Não Não Não
O dia todo. 

Este cá pensava ser um pássaro,
Este cá um cão,
E este cá pensava ser humano,
um simples humano,
E gritava e gritava Não Não Não Não
O dia todo.

Counting the Mad

This one was put in a jacket,
This one was sent home,
This one was given bread and meat 
But would eat none,
And this one cried No No No No
All day long.

This one looked at the window
As though it were a wall,
This one saw things that were not there,
This one things that were,
And this one cried No No No No
All day long. 

This one thought himself a bird,
This one a dog,
And this one thought himself a man,
An ordinary man,
And cried and cried No No No No
All day long.

***

Este texto foi retirado da antologia de poesia “Beyond Bedlam” (1997), que reúne poemas escritos por pacientes internados no Royal Bethlehem Hospital (em Londres), sobreviventes e ativistas no campo da psiquiatria afiliados/as à rede Survivors’ Poetry. Para a recensão da antologia e mais poemas traduzidos clique aqui.

Artigo anterior“Prestações do fracasso”, Rosy Wilson
Próximo artigo“Louco”, Paul Durcan
Mattia Faustini
Mattia Faustini é pesquisador e doutorando em "Discursos: Cultura, História e Sociedade" na Universidade de Coimbra (CES-UC). A sua formação se desenvolveu de forma transdisciplinar, tendo como seu eixo a relação entre a linguagem e a psicologia. Encontra na literatura e na linguagem poética um recurso para proporcionar cuidado e escuta nas comunidades, realizando oficinas de escrita e leitura dentro bem como fora de serviços psiquiátricos. Procura, assim, gerar espaços criativos e críticos de debate sobre as práticas e as instituições da saúde mental, desenvolvendo intervenções coletivas, em Portugal bem como na Itália, em colaboração com pessoas com experiência de sofrimento psíquico, diagnóstico e sobrevivência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui