Os psicólogos inibem a consciência das estruturas sociais opressivas?

Um novo estudo, conduzido em Portugal, apela a que os psicólogos e os orientadores profissionais estejam conscientes do seu papel na reprodução de condições de trabalho desiguais e injustas. 

Traduzido por Tiago Pires Marques de Mad in America (texto original)

Os investigadores avaliaram uma discussão de Grupo Focal para investigar como oito psicólogos portugueses interpretaram os resultados de dois estudos quantitativos. Os autores, Mariana Lucas Casanova, Patrício Costa, Rebecca Lawthom e Joaquim Luís Coimbra, identificaram dois discursos principais, “o discurso psicológico hegemónico” e o discurso “o contexto social é um agressor”, e exploraram a forma como o papel dos psicólogos na psicologia convencional pode reproduzir dinâmicas de poder e uma visão do mundo neoliberal.

Avaliam a forma como a construção do “indivíduo empregável” e os limites da psicologia influenciam a teoria e a prática do aconselhamento de carreira. Os autores oferecem as suas reflexões e críticas com o objetivo final de promover o bem-estar do indivíduo, a agência coletiva, a consciencialização, a emancipação e o desenvolvimento da carreira.

“O poder da psicologia dominante, nomeadamente através de abordagens cognitivo-comportamentais, continua a ser hegemónico, adotando perspetivas apolíticas, que promovem formas de subjetividade que engendram um eu calculável, individualista, empreendedor e utilitário para todos. As pessoas tornam-se mais uma mercadoria, uma mercadoria que deve competir com outros trabalhadores para garantir um emprego, um recurso escasso”.

Os autores escrevem sobre um momento precário, a crise económica de 2007/2008. Portugal assistiu a um aumento das taxas de desemprego, à desregulamentação das relações laborais e à precariedade. Assistiu-se também a um aumento do reforço das perceções negativas sobre os desempregados. Os autores apontam para a psicologia mainstream e para a globalização do neoliberalismo como visão do mundo para demonstrar como a individualização se tornou uma forma hegemónica de socialização. Os valores da competitividade, do empreendedorismo, da adaptabilidade e do conformismo tornaram-se dominantes e fizeram com que a pobreza fosse vista como uma patologia ou falhas morais e psicológicas, e não como resultado de acontecimentos infelizes ou falhas sociopolíticas.

Assim, a desigualdade é legitimada e atua como um agente de controlo social, e os governos podem fugir à responsabilidade pelo seu papel nesta matéria. Os autores propõem-se a refletir criticamente sobre estes problemas e a criticar a natureza hegemónica do paradigma científico positivista na psicologia.

Exploram as seguintes questões relacionadas com os psicólogos/conselheiros de carreira na sua investigação: “Como é que eles dão significado aos resultados? Como é que percecionam o seu papel profissional? Como é que as questões sociopolíticas influenciam a sua prática?

Um grupo de oito psicólogos portugueses foi avaliado enquanto discutia e interpretava os resultados de dois estudos quantitativos. Os participantes eram todos brancos e as suas idades situavam-se entre os 30 e os 40 anos. Cada um deles representava diferentes áreas da psicologia e da orientação profissional.

O primeiro estudo apresentado aos participantes avaliou a relação entre a experiência de trabalho, a incerteza psicossocial e as estratégias de coping emocional de 2009 a 2019, em resultado da crise económica em Portugal. Os resultados do estudo lançaram luz sobre a experiência de pessoas desempregadas e mostraram que “a redução do acesso aos benefícios do trabalho gera mais incerteza psicossocial e que a privação financeira e o aumento da incerteza psicossocial promovem a adoção de estratégias emocionais de enfrentamento“.

O segundo estudo confirmou os resultados do primeiro, em termos do impacto do acesso financeiro e da incerteza psicossocial na agência pessoal. Adicionalmente, o segundo estudo avaliou variáveis como o controlo sociopolítico e a orientação para a dominação social, e os resultados mostraram que “a privação financeira e a incerteza psicossocial podem ter um impacto negativo na consciência sociopolítica e podem contribuir para crenças sobre a orientação para a dominação social e o anti-igualitarismo, prejudicando a participação sociopolítica.”

Os autores descreveram as duas etapas principais do seu processo de análise. Na primeira, utilizam uma abordagem temática social-construcionista, que aceita a subjetividade e a não-neutralidade da ciência para identificar temas principais. Na segunda, para compreender a forma como os participantes se posicionam e constroem o mundo social, utilizaram a “Análise Crítica do Discurso” e identificaram dois discursos principais. Apoiaram o seu argumento fornecendo vários exemplos retirados da discussão do grupo de discussão para demonstrar os debates entre os discursos e a forma como estes são exibidos pelos temas identificados.

Discursos

A Análise Crítica do Discurso resultou na identificação dos dois discursos seguintes:

  1. O “Discurso Psicológico Hegemónico”

Este foi o discurso dominante identificado, que reproduz os valores neoliberais do lucro e do individualismo.

“Dentro da psicologia, este discurso manifesta o ‘complexo psi’, que constrói a vida psicológica e, assim, ‘regula-a e individualiza, psicologiza, essencializa e naturaliza o que são características socialmente construídas de arranjos político-sócio-económicos particulares que privilegiam os interesses dos já poderosos’.”

Aqui, os autores explicam como este discurso resulta na criação do trabalhador perfeito, a que chamam o “indivíduo empregável”, que se alinha com os valores acima referidos, e como resultado, qualquer outro é visto como um fracasso.

  • “O contexto social é um agressor”

Este discurso inclui as raízes sócio-políticas e económicas das doenças psicológicas e adota uma abordagem social-construcionista. Os autores observam que o discurso não apresenta uma visão dicotómica entre o social e o individual, mas uma abordagem integradora que reconhece a complexidade entre os dois.

Temas

Os autores exploraram os discursos identificados através da análise dos dois temas seguintes:

1. Construção do “indivíduo empregável”

Através da descrição deste tema, os autores enfatizam como a psicologia positiva tem como objetivo mudar os indivíduos para que se enquadrem nos valores neoliberais utilitários, de modo a que funcionem bem na sociedade. Como resultado, a profissão enfatiza uma “perceção individualista superficial da felicidade que privilegia uma forma neoliberal de liberdade de escolha e de locus interno de controlo”. Os autores lembram aos leitores os perigos da reificação dos valores do individualismo, que é a competição, o capitalismo, a desigualdade e a injustiça.

Afirmam que os psicólogos procuram normalmente estratégias para reduzir o locus de controlo externo e aumentar o interno. Como resultado, há uma internalização da responsabilidade pelo desemprego que leva à apatia, em vez do reconhecimento do desemprego como resultado de circunstâncias socioeconómicas e políticas que podem levar à ação coletiva e à revolta social.”

2. Limites da psicologia

Descrevem o tema dos limites da psicologia através do exemplo de um dos seus participantes “politicamente críticos”, Manuel, que reconheceu a dimensão política do bem-estar, mas também sentiu pressão para se posicionar como “neutro” e adotar o paradigma médico. Os autores sugerem que isto se deve ao poder do discurso hegemónico e ao receio de que as convicções pessoais se infiltrem na prática dos psicólogos e conselheiros de carreira, o que resulta na abstenção de intervenções que promovam a consciencialização das estruturas sociais opressivas.

Em conversa sobre os resultados, os autores reconheceram que estes são interpretativos e que pode haver muitas outras formas de os ver e compreender. Além disso, referem que a análise é influenciada pelos quadros de referência dos autores, pelos quadros teóricos utilizados e pelas experiências pessoais e profissionais dos autores.

Para concluir, este estudo ofereceu uma crítica à psicologia dominante e uma exploração do seu papel como “um aparelho ideológico que mantém as estruturas de poder nas sociedades contemporâneas e o poder hegemónico do neoliberalismo, produzindo um discurso que promove a adaptabilidade a ambientes tóxicos, o conformismo e gera angústia pessoal e um sentimento de inadequação através de intervenções que culpam a vítima pela sua vulnerabilidade”.

Os autores apelam a que tanto os psicólogos como os conselheiros de carreira reconheçam a expansão do complexo psicológico. Os autores defendem que o aconselhamento de carreira pode ter um papel crucial dentro da psicologia, uma vez que as suas questões estão diretamente relacionadas com o contexto socioeconómico e político, e que os conselheiros de carreira devem estar conscientes do seu papel na reprodução de relações e condições de trabalho desiguais e injustas. Se o fizerem, a psicologia e a orientação profissional poderão ser capazes de combater a hegemonia e o conformismo que resultam nas principais limitações da psicologia e nos efeitos sócio-políticos sobre o bem-estar mental.

Este estudo contribui para os crescentes corpos de literatura que defendem um maior enfoque nos determinantes sociais da saúde mental, nos programas psicológicos que trabalham para “modificar” indivíduos desempregados e promover a conformidade, bem como para as conversas sobre a forma como a ideologia neoliberal está incorporada na agenda dos psicólogos e os seus impactos no bem-estar psicológico. Em relação à construção do “indivíduo empregável”, uma investigação semelhante sobre os efeitos do capitalismo neoliberal leva a conversa mais longe, abordando se a psicoterapia pode contrariar os discursos que posicionam os indivíduos como agentes empreendedores.

****

Lucas Casanova, M., Costa, P., Lawthom, R., & Coimbra, J. L. (2022). O discurso psicológico hegemónico e as suas implicações no aconselhamento de carreira e na intervenção psicológica. British Journal of Guidance & Counselling, 50(4), 515-532. https://doi.org/10.1080/03069885.2022.2065243 (Link)

Ally Riddle
Ally Riddle

Ally é estudante de mestrado em estudos interdisciplinares pelo XE: Experimental Humanities & Social Engagement da Universidade de Nova York, articulando antropologia, saúde pública e ciências humanas para orientar sua pesquisa. Os seus interesses atuais residem na intersecção entre literatura e psicologia como um método para reformular a forma como pensamos sobre diferentes estados e experiências mentais. Ally é licenciada pela Universidade de Minnesota em Biologia, Sociedade e Meio Ambiente.

Related Articles

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Subscrever

 

 

Redes Sociais

Novas Entradas