Programas de saúde pública não querem abordar o capitalismo como causa fundamental das desigualdades na saúde

Um novo artigo examina criticamente as deficiências de um programa de saúde pública de topo, chamando a atenção para as estruturas económicas e políticas que têm impacto na saúde. 

Traduzido por Tiago Pires Marques de Mad in America (texto original)

Apesar da crescente atenção prestada à abordagem dos determinantes sociais da saúde, a comunidade de saúde pública dos EUA raramente aborda as realidades políticas que impulsionam os maus resultados de saúde em todo o país. Um novo artigo explora esta dinâmica, expondo a forma como os programas de Mestrado em Saúde Pública (MSP) dos Estados Unidos, inseridos no sistema capitalista dos Estados Unidos, são moldados pelos interesses dos ricos. 

Stella Medvedyuk e Dennis Raphael, ambos da Universidade de York, avaliaram as limitações do programa de MSP mais bem classificado nos Estados Unidos, a Bloomberg School of Public Health da John Hopkins. Este programa é frequentemente considerado um modelo de uma abordagem de justiça social à saúde.

Através de uma análise crítica da Declaração Internacional dos Direitos da Saúde da Hopkins, os autores argumentam que esta não tem em conta as estruturas económicas e políticas que moldam a saúde e alertam para o facto de ser improvável uma verdadeira mudança, a menos que se reconheça a ameaça do capitalismo

É digno de nota que, num país onde a política regressiva e um sistema económico enviesado criam alguns dos níveis mais elevados de desigualdades sociais e de rendimentos entre as nações ricas, a política e a economia sejam deixadas de fora das mensagens de saúde de uma das escolas de saúde pública mais conhecidas do país“, escrevem. 

Existe uma contradição social no facto de a Escola defender o seu compromisso com a promoção da equidade na saúde, enquanto se insere nas estruturas e processos capitalistas que ameaçam a saúde. E o aspeto mais óbvio desta contradição é o facto de ser dotada e ter o nome de um bilionário capitalista que denunciou quaisquer tentativas de redistribuição ao serviço da saúde pública.

Esta análise crítica está em sintonia com as preocupações sobre a forma como os interesses corporativos e os sistemas económicos moldam as narrativas e as políticas de saúde, potencialmente ofuscando abordagens mais holísticas e equitativas à saúde pública e ao bem-estar mental. O artigo desafia a educação para a saúde pública a confrontar as estruturas capitalistas em que frequentemente opera, um apelo que se alinha com os esforços para abordar as influências sociais nas práticas de saúde e de cuidados de saúde mental.

A promoção da equidade na saúde e a redução das desigualdades na saúde são componentes essenciais do processo de acreditação dos programas de MSP nos Estados Unidos. Este processo envolve a abordagem dos determinantes sociais da saúde através da ação de políticas públicas. 

No entanto, são muito poucos os programas que se envolvem efetivamente com as questões relacionadas com os determinantes sociais da saúde. Segundo os autores, esta falta de envolvimento pode ser atribuída ao individualismo no discurso da saúde, ao predomínio dos modelos biomédico e comportamental de saúde e à falta de formação dos formadores em análise de políticas públicas.

Menos discutido, mas crucial, os autores salientam que a falta de envolvimento pode também resultar da dependência da filantropia empresarial ou privada, que alinha os valores universitários e os interesses de investigação com os do mercado capitalista. 

Para aprofundar esta questão, os autores olham para a Escola de Saúde Pública de Michael Bloomberg da John Hopkins, que é altamente influente a nível mundial, classificada como a escola de saúde pública n.º 1 nos Estados Unidos e um “ícone da equidade na saúde”. 

A Declaração Internacional dos Direitos de Saúde do programa é um compromisso para com a promoção dos direitos de saúde de todos os seres humanos e uma dedicação aos valores da integridade, diversidade, justiça social, equidade na saúde e cidadania empenhada na investigação e na prática. Os autores escolheram esta Declaração para análise crítica, com o objetivo de encorajar a reflexão sobre o papel dos programas de formação em saúde na promoção da equidade na saúde. 

A Declaração – A Saúde como um Direito Fundamental  

Os autores destacam as omissões e limitações significativas da declaração.  

A Declaração define saúde, adotada da Organização Mundial de Saúde, que se centra no indivíduo e desvia a atenção dos ambientes político, económico e social. 

Não reconhece o fracasso dos Estados Unidos na prestação de cuidados de saúde universais. Também não menciona a crise ambiental, exacerbada pela globalização económica e pela agenda neoliberal, apesar de afirmar que a saúde requer um ambiente sustentável.  

A Declaração menciona o desenvolvimento saudável das crianças, embora não forneça quaisquer requisitos, e não reconhece que o desenvolvimento infantil é limitado numa sociedade com desigualdades sociais tão graves como os EUA, que têm uma taxa de pobreza infantil de 18%, a segunda mais elevada entre as nações ricas. 

Embora a Declaração mencione os elementos essenciais para a saúde, nada diz sobre a distribuição equitativa do rendimento e da riqueza, apesar de os EUA ocuparem o 31º lugar entre 35 países da OCDE no que diz respeito ao controlo da desigualdade de rendimentos.  

A Declaração afirma que a saúde depende da proteção contra a exploração, mas não reconhece a exploração como uma caraterística inerente ao capitalismo.  

Em comparação com outras nações ricas, os EUA têm um desempenho muito fraco no que respeita à prevenção da pobreza, à inclusão social, à não discriminação e à justiça intergeracional. 

Os autores afirmam que “é problemática a incapacidade de levantar a questão da clara inadequação do sistema de saúde dos Estados Unidos para responder às necessidades de muitos americanos“. 

Negligenciar a classe 

Embora os programas de saúde pública considerem geralmente questões de raça e género relativas à equidade na saúde, os programas de formação nos EUA e os respetivos documentos, declarações e programas de formação negligenciam a classe e o seu efeito na saúde. 

Para dar sentido à falta de questionamento do programa sobre o domínio e a influência do sistema económico capitalista nos problemas de equidade na saúde, os autores recorrem a Marx, Gramsci e Engels. Destacam a relação entre as escolas de saúde pública e o sector empresarial, o que resulta numa falta de integridade e dificulta os esforços no sentido da equidade na saúde. O conceito de hegemonia cultural de Gramsci é demonstrado quando os valores da classe dominante – valores corporativos e filantro-capitalistas, neste caso – são impostos aos programas e influenciam os interesses e as agendas de pesquisa.

A filantropia capitalista molda as prioridades da saúde pública

A Escola Bloomberg de Saúde Pública tem o nome de Michael Bloomberg, que doou mais de 300 milhões de dólares. Enquanto presidente da câmara, Bloomberg opôs-se ativamente ao destaque da importância do contexto sociopolítico na promoção da saúde pública e das questões de desigualdade de rendimentos.  

A imagem de marca da escola de saúde pública de Hopkins tem consequências significativas. Embora não se saiba ao certo em que medida as suas contribuições moldam o interesse do programa, os autores sugerem que ele orienta os currículos, orienta o conteúdo para as perspetivas da indústria e dos doadores e estabelece prioridades de investigação.  

Os autores concluem:

O facto de a Johns Hopkins aceitar dinheiro e dar à sua Escola de Saúde Pública o nome de um bilionário magnata dos meios de comunicação social, cujas posições contra a promoção da equidade na saúde são bem conhecidas, demonstra apenas que a universidade capitalista não tem vergonha.

A análise de Medvedyuk e Raphael oferece uma visão significativa. Investiga a forma como os programas de saúde pública de elite dos EUA, em particular o programa de Mestrado em Saúde Pública da Bloomberg School of Public Health da John Hopkins, podem ser condicionados por estruturas capitalistas e filantropia, limitando potencialmente a sua capacidade de abordar determinantes sociais e políticos mais amplos da saúde.

Os autores também imaginam um novo caminho a seguir. Propõem uma definição diferente de saúde, que afirma explicitamente que a saúde depende de quatro condições interligadas e interdependentes: económica, política, social e individual. Além disso, sugerem uma abordagem à saúde que avança para um estado socialista pós-capitalista que presta atenção direta às estruturas económicas e políticas que restringem a democracia e ameaçam a saúde. Os autores destacam programas e escolas a nível mundial que demonstram este facto, tais como a Universidade Pompeu Fabra, a Universidade de Newcastle, Essex e a Universidade de Toronto.  

****

Medvedyuk, S., & Raphael, D. (2024). Promoting social justice in the capitalist academy? Health equity and the Johns Hopkins University Michael Bloomberg School of Public Health. Capital & Class, 03098168241234304. https://doi.org/10.1177/03098168241234304 (Link)

Ally Riddle
Ally Riddle

Ally é estudante de mestrado em estudos interdisciplinares pelo XE: Experimental Humanities & Social Engagement da Universidade de Nova York, articulando antropologia, saúde pública e ciências humanas para orientar sua pesquisa. Os seus interesses atuais residem na intersecção entre literatura e psicologia como um método para reformular a forma como pensamos sobre diferentes estados e experiências mentais. Ally é licenciada pela Universidade de Minnesota em Biologia, Sociedade e Meio Ambiente.

Related Articles

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Subscrever

 

 

Redes Sociais

Novas Entradas