A cultura moderna é traumatizante e NÃO normal | Gabor Maté

0
50

De Commune: “Nesta sociedade, há uma suposição que aparece na forma como falamos sobre as coisas. Por isso, quando alguém faz algo egoísta ou ganancioso, o que é que dizemos: “Oh, isso é apenas a natureza humana”. Mas há aí um pressuposto sobre a natureza humana. Curiosamente, é raro alguém fazer algo generoso, bondoso ou solidário e as pessoas dizerem: “Oh, isso é apenas a natureza humana”. E, no entanto, na verdade, essa é a natureza humana, e a ganância e o egoísmo não são a natureza humana. Não é que as pessoas não possam ser gananciosas ou egoístas ou agressivas ou competitivas, individualistas e simplesmente narcisistas… Mas isso não significa que seja a nossa natureza.

“É como tentar compreender a zebra. Onde é que quereria estudar a zebra – num jardim zoológico, numa pequena jaula de um jardim zoológico, ou na savana onde a zebra evoluiu e viveu? Bem, se quisermos realmente compreender a natureza da zebra, não a estudaríamos num jardim zoológico. Por isso, tirar conclusões sobre a natureza humana a partir da forma como vivemos nesta sociedade é como tentar compreender um animal selvagem dentro de uma jaula… O que consideramos “normal”, esta cultura “normal” que temos aqui, não tem nada de normal, em termos de necessidades humanas e de potencial humano. De facto, é esse fosso entre as necessidades humanas e o potencial humano, e as condições sob as quais vivemos agora, que cria tanta doença da mente e do corpo, para não falar de tanta tensão, tanta pressão, tanta hostilidade, tanta divisão na sociedade em geral. Assim, este conceito de “comum” está de facto relacionado com a forma como os seres humanos evoluíram: evoluímos como criaturas comunitárias; não poderíamos ter evoluído de outra forma.

“E aquilo a que chamamos “civilização”… se olharmos para a nossa espécie, se a nossa existência puder ser resumida numa hora, então, até há cerca de seis minutos, vivíamos em pequenos grupos de caçadores-recolectores, num contexto comunitário. E evoluímos nesse sentido, e essa é a nossa natureza, porque foi assim que a natureza nos ajudou a evoluir. Cada animal tem uma natureza particular que se adapta ao seu ambiente particular. Agora, os seres humanos podem adaptar-se a uma gama infinita de ambientes, mas isso não significa que nos saiamos muito bem em todos eles. Assim, o que é considerado “normal” nesta cultura, ou seja, o que é a norma estatística, não tem nada a ver com o que é normal para os seres humanos em geral. E é esse fosso entre a “norma” nesta cultura e o que é realmente a norma em termos de evolução humana, requisitos humanos e potencial humano, que está na origem de tanta disfunção, seja a nível mental, emocional, psicológico, espiritual, fisiológico ou político-social.

“…Pensamos que estamos a viver numa era científica, mas na verdade é uma relação muito seletiva com a ciência que temos. Só nos relacionamos com a ciência que justifica ou apoia este modo de vida particular, este sistema socioeconómico particular, esta forma particular de praticar medicina. Mas ignoramos completamente a ciência que mostra a co-ocorrência interligada dos fenómenos. E isso aparece em todos os domínios. O meu colega e mentor Dan Siegel, que é psiquiatra aqui em Los Angeles, tem um conceito chamado neurobiologia interpessoal, que é… uma forma de compreender a natureza dos nossos cérebros, que é o facto de os nossos cérebros, os nossos sistemas nervosos não estarem separados. A forma como me relaciono convosco, o meu estado energético, quando olho para vós ou falo convosco ou vice-versa, afeta o vosso sistema nervoso. Portanto, estamos sempre a co-criarmo-nos uns aos outros. Esta co-criação, esta neurobiologia interpessoal, é mais dominante, claro, quando somos pequenos e estamos muito sob a influência dos nossos pais e dos seus antecedentes particulares e vicissitudes ou triunfos. Mas é assim durante toda a nossa vida. Assim, a nossa natureza interpessoal significa que a nossa neurobiologia é interpessoal. Como sou médico, retiro simplesmente a palavra neuro e digo que a nossa biologia é interpessoal. Assim, o que nos acontece fisiologicamente, e especificamente, do ponto de vista médico, quando a doença aparece, não é um acontecimento único e isolado num organismo ou órgão fisiológico isolado e separado, mas é, de facto, uma manifestação de uma vida vivida num determinado contexto.

“Assim, o meu amigo, o médico e psiquiatra Lewis Mehl-Madrona, que é em parte de origem Lakota Sioux, deu-me um exemplo muito interessante quando falei com ele. Disse-me que, na tradição Lakota, quando alguém adoece, a comunidade diz: “Obrigado. A tua doença manifesta a disfunção da nossa comunidade. Tu és o canário na mina. Por isso, a tua cura é a nossa cura, e a nossa cura é a tua cura”.

“Consideremos agora a medicina ocidental. Vai a um nefrologista com uma doença renal; eles não sabem nada sobre a sua vida, nem sequer perguntam nada sobre ela, exceto, talvez, se fuma e bebe. Os cardiologistas, neurologistas, gastroenterologistas, dermatologistas – nunca olham para a doença do ponto de vista comum, apenas olham para a patologia específica como se fosse apenas uma manifestação biológica num determinado órgão. Esta é a medicina ocidental e o que é incrivelmente interessante e… frustrante é o facto de termos todo o tipo de ciência para mostrar que não é assim.

“…Por isso, o primeiro tema de hoje é a natureza interpessoal e a natureza interligada de todos os fenómenos, tal como é ensinada pelas tradições espirituais, e como foi agora validada pela ciência moderna, e é virtualmente ignorada pela sociedade moderna.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui