Como a indústria de coaching vende pseudo-soluções para os nossos problemas mais profundos

0
58

24 de janeiro de 2024

Tradução de Tiago Pires Marques

De Current Affairs: “A fórmula do coaching de Robbins é simples. Se Robbins foi capaz de enfrentar os seus medos e superar tais desafios, você também pode. As vítimas são perdedores por culpa própria. A pobreza, os traumas, os abusos e as doenças que ameaçam a vida podem ser encarados como distintivos de honra – oportunidades para transmutar os limões da vida de modo a tornar-se um vencedor.

. . . O coaching remete imediatamente para o domínio do desporto e do jogo, com vencedores e vencidos bem definidos. O livro de autoajuda mais vendido de Dale Carnegie, How to Win Friends and Influence People, não só teve uma grande influência em Robbins, mas também em Donald Trump. Quando a vitória é o nome do jogo num mercado competitivo e cruel, não é de admirar que o coaching tenha alastrado como fogo em mato seco

. . . Esta atração de massas e a procura insaciável de desenvolvimento pessoal ressoa com uma ideologia cultural de auto-desenvolvimento sem restrições. Robbins prega um evangelho de “Melhoria constante e interminável”, um princípio de coaching ligado a uma passadeira incessante de ter de se tornar perpetuamente uma versão melhor de si próprio. Se não estiver a avançar para a sempre esquiva zona de melhoria, deve ser preguiçoso ou um fracasso.

. . . O otimismo obrigatório da psicologia positiva depende da negação e do repúdio do que Seligman consideraria emoções negativas, como a raiva, a ansiedade, a frustração, o ressentimento e a tristeza, que supostamente são meros impedimentos ao bem-estar mental e ao florescimento humano. O “otimismo aprendido” de Seligman implica substituir habilmente os sentimentos negativos por sentimentos positivos, evitando contratempos ou infortúnios através da desaprendizagem e da rejeição de tudo o que possa parecer pessimismo. Esta demonização de toda a gama da experiência humana é uma positividade tóxica, uma forma contemporânea e doentia de Pollyannaism. Como escreve a psicanalista de origem ucraniana Oksana Yakushko no seu livro Scientific Pollyannaism: Da Inquisição à Psicologia Positiva:

“A insistência no otimismo e na felicidade como estados ideais é vista como reflexo de formas político-culturais de conformidade social, que requerem a negação de condições e desigualdades opressivas e que necessitam de um envolvimento rotineiro em dissociação, negação e divisão. Estas defesas são utilizadas para manter a insistência individual de que, tal como Pollyanna, a pessoa está sempre “contente com tudo”.” Pollyanna é apresentada como uma criança perpetuamente otimista, como alguém que joga os “jogos da alegria, independentemente do quanto sofre ou do sofrimento que observa.

A venda de positividade tóxica é como um truque de três cartas. A primeira carta envergonha o indivíduo por sentir tudo menos emoções positivas; a segunda carta, de culpabilização da vítima, transfere a responsabilidade pela mudança para o indivíduo, inflacionando a quantidade de poder que uma pessoa realmente tem ao minimizar o papel das circunstâncias; a terceira carta legitima a necessidade de conformidade social (através de coaching), ou seja, de ‘melhorar’ aprendendo a ser mais positivo e mentalmente apto para o dever corporativo.”

Artigo →

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui