Documentos de escolha antecipada em saúde mental “reduziriam o internamento compulsivo”

0
84

Do The Guardian: “Menos pessoas com “doenças mentais” suportariam o trauma de serem internadas compulsivamente se os documentos de escolha antecipada – que estabelecem um plano de tratamento enquanto estão bem – fossem incluídos nas reformas da Lei de Saúde Mental”, disse um psiquiatra de renome.

Os documentos de escolha antecipada são a única forma comprovada de reduzir o número de pessoas detidas ao abrigo da Lei da Saúde Mental em Inglaterra e no País de Gales, que é um dos principais objetivos das reformas, afirmou o Dr. Lade Smith, presidente do Royal College of Psychiatrists.

A investigação sugere que a utilização destes documentos pode reduzir em 25% as taxas de detenção compulsiva em unidades psiquiátricas, frequentemente conhecidas como internamentos involuntários, minimizando as experiências traumáticas das pessoas com “bipolaridade”, “esquizofrenia” e outras “doenças psicóticas”.

“É mais do que tempo de se proceder a uma reforma da Lei da Saúde Mental, porque as taxas de detenção estão a aumentar, especialmente para os grupos marginalizados, os que são pobres ou pertencem a uma comunidade étnica minoritária, especialmente entre a população negra proveniente das Caraíbas… Os documentos de escolha antecipada foram uma recomendação da revisão, não sei por que razão não foram aprovados”, afirmou Smith.

Os documentos de escolha antecipada são especialmente eficazes para reduzir as taxas de detenção significativamente mais elevadas de pessoas negras com “doenças mentais”, uma vez que podem ajudar os doentes a sentirem-se mais autónomos e a reduzir os preconceitos inconscientes.

“Os documentos também podem acelerar e melhorar a recuperação e reduzir o tempo de permanência no hospital, o que pode ter um impacto negativo no emprego, na casa ou nas relações dos doentes”, disse Smith.

Artigo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui