“Um em cada cinco”, Jay Griffiths

0
51

Traduzido por Mattia Faustini de Tristimania (2016)

Um em cada cinco

Um em cada cinco nesta loucura
Vai e faz a porra da coisa: overdose, faca ou enforcamento.
Mas talvez as estatísticas estejam erradas:
Não é uma em cada cinco pessoas
Mas um em cada cinco momentos
Uma em cada cinco devastações
Irá acabar contigo.
Uma em cada cinco memórias
Irá explodir-te.
Um em cada cinco stalkers
Irá apanhar-te.
Talvez todos possam ficar com os quatro vivos
Se eles contassem diferente:
Quatro horas aguentáveis
Quatro amigos fiáveis
Quatro encostas percorríveis
Quatro pianos tocáveis
Quatro poemas escritíveis
Nem uma vida sem ser escrita.

One in five

One in five in this madness
Go and bloody do it: OD, knives or hanging.
But maybe the statistics count it wrong:
It’s not one in five people
But one in five moments
One in five devastations
Will wipe you out.
One in five memories
Will explode you.
One in five stalkers
Will catch you.
Maybe everyone can stay with the living four
If they counted different:
Four hours bearable
Four friends reliable
Four hillsides runnable
Four pianos playable
Four poems writable
Not one life unwritten.

***

Tristimania narra a experiência de um episódio de depressão maníaca durante um ano, que culminou numa longa peregrinação solitária através da Espanha.

O livro é único no que diz respeito ao relato da experiência da mania e mostra como esta condição é simultaneamente aterradora e profundamente criativa, iludindo e cuidando da psique. Ao explorar a influência da mania na literatura, Griffiths examina o papel do “Trickster” e explora a obra de Shakespeare para obter descrições hábeis e reveladoras da depressão maníaca e traça a sua natureza através da personagem de Mercúrio. Link ao livro: https://jaygriffiths.com/books/tristimania/).

Artigo anterior“Neologismos”, Leonard Roy Frank
Próximo artigoActualizações sobre a compreensão actual da psicose e da esquizofrenia
Mattia Faustini
Mattia Faustini é pesquisador e doutorando em "Discursos: Cultura, História e Sociedade" na Universidade de Coimbra (CES-UC). A sua formação se desenvolveu de forma transdisciplinar, tendo como seu eixo a relação entre a linguagem e a psicologia. Encontra na literatura e na linguagem poética um recurso para proporcionar cuidado e escuta nas comunidades, realizando oficinas de escrita e leitura dentro bem como fora de serviços psiquiátricos. Procura, assim, gerar espaços criativos e críticos de debate sobre as práticas e as instituições da saúde mental, desenvolvendo intervenções coletivas, em Portugal bem como na Itália, em colaboração com pessoas com experiência de sofrimento psíquico, diagnóstico e sobrevivência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui